Nossa História

Existimos por você!

Fundada em 1983, a Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Assetj, nasceu da vontade de congregar os servidores do Tribunal de Justiça. Dona de um vasto patrimônio econômico, financeiro e ideológico, a entidade proporciona aos associados e associadas  uma gama de benefícios e prestação de serviços, que atende todas as necessidades do servidor e sua família.

Politicamente, sempre ocupou posição combativa em defesa dos direitos do servidor público não só do Judiciário de São Paulo, mas do funcionalismo de todo o país. É uma entidade engajada nas lutas em defesa de melhorias nas condições de vida e trabalho do servidor, seja ele da ativa, aposentado ou pensionista. Sempre no comando das manifestações por melhoria salarial com papel fundamental durante as greves históricas da categoria nos anos de 2001, 2004 e 2010.

Esteve à frente da fundação da Pública Central do Servidor, primeira central de trabalhadores que visa defender apenas os interesses dos servidores e servidoras públicas nas esferas municipal, estadual e federal e dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Sua diretoria também participou ativamente da fundação da Federação Nacional dos Servidores do Poder Judiciário dos Estados e Distrito Federal (FENASJ), da Associação Nacional dos Servidores do Judiciário (ANSJ), além de manter representação ativa na Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo (FESPESP), na Comissão Consultiva Mista do IAMSPE e nos Conselhos da São Paulo Previdência (SPPrev).

A presença atuante na Alesp, seja por meio das audiências públicas, votações em plenário ou articulação com os deputados, conferem à Assetj posição de destaque entre as entidades representativas, sendo sua diretoria sempre convidada para integrar Frentes parlamentares mistas da Casa, além da organização independente como a Frente Paulista em Defesa do Serviço Público, movimento que reúne quase 100 associações, sindicatos, federações e centrais engajadas na defesa do serviço público.

Acompanhamos todos os debates estaduais e nacionais que atingem diretamente os servidores e servidoras. Constantemente reafirmamos nosso compromisso e agradecemos a confiança em somar esforços nas lutas. Juntos somos mais fortes e não permitiremos que acabem com a nossa dignidade.

 

      • Em defesa dos direitos adquiridos
      • Em defesa do Iamspe
      • Em defesa dos serviços públicos de qualidade
      • Contra a Reforma Administrativa (PEC 32/20)
      • Contra o Confisco de Aposentados/as e Pensionistas (Decreto 65.021/20)
      • Contra a Reforma Administrativa Estadual (PLC 26/21)
      • Contra o Congelamento de salários e benefícios
      • Contra privatizações e terceirizações

Linha do tempo

Carteirinha Assetj
1983

Em 1983, o país respirava esperança com o movimento Diretas Já! Servidores da Secretaria do Tribunal de Justiça, que não se enquadravam em nenhuma das entidades de classe existentes, decidiram criar uma em que fosse possível a filiação de todos os servidores do Poder Judiciário estadual.

“Uma associação democrática, de união e que realmente interpretasse o espírito associativo” foi fundada no dia 18 de março de 1983, em São Paulo.

1983
ovo-de-páscoa
1985

O primeiro grande benefício foi a cooperativa de consumo, com vendas de panettones, ovos de páscoa e biscoitos diretamente da fábrica. 

“Nos primeiros anos, chegamos a vender duas carretas de panettones. Ficamos conhecidos como a ‘associação do panettone’ ”, lembrou Julio Bonafonte. 

Com o passar do tempo, se tornou a Conveniência, continuando com os famosos panettones em época de Natal, além de outros itens presentes em todos os lares, com preços acessíveis e facilidade de pagamento.

1985
jogos
1989

Pensando em oferecer opções para o bem-estar dos associados, a primeira Comissão Esportiva e de Lazer expandiu as competições de futebol do Grêmio do Judiciário e organizou um evento “para congregar a família forense”, que incluía também vôlei e basquete. No primeiro torneio, só havia estrutura para que os atletas da capital participassem, aumentando a expectativa de uma grande competição que estava por vir. 

Somente em 1989 foi possível a realização do 1º Jogos do Judiciário, dessa vez também com a participação de equipes masculinas e femininas do interior e em comemoração ao Dia da Justiça.

Em 1993, o presidente do TJSP à época, Odyr Porto, oficializou o evento e o Tribunal passou a reconhecer o evento, liberando servidores para a competição e sempre encaminhando representantes na solenidade de abertura.

Ao longo dos anos, 16 cidades e a capital já sediaram os Jogos do Judiciário. Em 2020, seria realizada a 30ª edição histórica, mas foi suspensa pela pandemia. Enquanto não podemos nos reunir, seguimos lembrando dos bons momentos dos Jogos.

1989
Dia-4-(1)
1990

Sempre preocupada em prover benefícios para o servidor público, passou a tomar frente nas reivindicações junto ao TJSP. O país passava por um período econômico difícil e, naquele momento, o cenário era de salários congelados e de insensibilidade por parte do Tribunal. Julio Bonafonte, o segundo presidente no comando da Assetj, soube que os funcionários da Justiça Federal recebiam bonificações por meio de Gratificações e batalhou para que o item fosse integrado à pauta de reivindicações.

Nos moldes propostos inicialmente, o ganho salarial poderia ser mais rápido e fácil, sem necessidade de aprovação de lei na Assembleia Legislativa. Bastava vontade política.

Ainda enquanto era vice-presidente da maior corte do país, Odyr Porto, disse que se concedesse a gratificação aos servidores jogaria seu diploma no lixo.

Em 1993, com os anos de experiência e forte luta, foi instituída a Gratificação Judiciária a todos servidores, inclusive aos inativos. 

Odyr estava terminando seu mandato como presidente do TJSP e o diploma não precisou ir pro lixo.

1990